Fotograma comentado: Couro de gato (1962)

Couro de Gato (1962)

Diretor: Joaquim Pedro de Andrade

Várias crianças, pouco antes do carnaval, procuram gatos pela cidade para fabricantes de tamborins. O enredo simples do curta de Joaquim Pedro de Andrade nunca se completa totalmente: o filme não é sobre caçadas, mas sobre uma certa ambiguidade urbana tão comum entre nós, com cidades marcadas pelos contrastes entre riqueza e pobreza, tristeza e felicidade, carência e abundância. A trajetória dos garotos passa por esses sentimentos enquanto eles correm pela cidade, aproximando contrastes tão próximos. A câmera baixa no fotograma acima, de certa forma, eleva uma dessas crianças, mas não o transforma em gigante, pois nunca deixamos de observar, no centro da imagem, um aperto intenso ao bichano, um corpo pequeno, um rosto levemente aflito, ofegante e, de certa forma, questionador (ele olhar para os moradores da cidade que desistem de subir na favela). Se o ângulo da câmera eleva algo, é a solidão, a vulnerabilidade, o enfrentamento e a busca por afeto.